Desde os primórdios da humanidade, sabemos que o homem sempre se estabeleceu em locais próximos aos rios e mares, para garantir seu sustento através da agricultura.
A história do Egito faz uma excelente demonstração desse fato, quando os homens, às margens do rio Nilo, fizeram os primeiros aglomerados humanos e construíram as primeiras cidades do mundo. Ali já se registrava o quanto o homem era dependente da água.
Porém, com o passar dos anos, com a evolução da humanidade, a água passou a ser tratada com desrespeito, sendo poluída e desperdiçada.
Por esses motivos, a ONU – Organização das Nações Unidas criou o Dia Mundial da Água, em vinte e dois de março de 1992, para promover discussões acerca da consciência do homem em relação a ela.
Em dez de dezembro de 2002, o senado brasileiro aprovou o dia nacional da água através do projeto de lei do deputado Sérgio Novais (PSB-CE). O texto destaca que esse deverá “oferecer à sociedade brasileira a oportunidade e o estímulo para o debate dos problemas e a busca desoluções relacionadas ao uso e à conservação dos recursos hídricos.”
A preocupação surgiu através dos grandes índices de poluição ambiental do planeta, envolvendo a qualidade da água que consumimos.
A ONU elaborou um documento com medidas cautelosas a favor desse bem natural, trazendo também informações para garantir a cultura de preservação ambiental, a consciência ecológica em relação à água.
Na Declaração Universal dos Direitos da Água, criada pela ONU, dentre as principais abordagens estão:
– Que devemos ser responsáveis com a economia de água, pois essa é condição essencial de vida;
– Que ela é um patrimônio mundial e que todos nós somos responsáveis pela sua conservação;
– Que a água potável deve ser utilizada com economia, pois os recursos de tratamento são ainda lentos e escassos;
– Que o equilíbrio do planeta depende da conservação dos rios, mares e oceanos, bem como dos ciclos naturais da água;
– Que devemos ser responsáveis com as gerações futuras;
– Que precisamos utilizá-la tendo consciência de que não devemos poluí-la ou envenená-la;
– Que o homem deve ser solidário, evitando o seu desperdício e lutando pelo seu equilíbrio na natureza.
Vivemos e estudamos na APA do Descoberto, regiâo que abastece mais de 60% da água consumida no Distrito Federal. Leiam trecho da reportagem que foi exibida no DFTV!

DF só tem recursos hídricos garantidos para os próximos três anos

Estimativa é da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal (Adasa). No Dia Internacional da Água, os alertas sobre a importância da preservação ganham destaque.

Para contribuir com a preservação do principal manancial de água do DF, os produtores e protetores da bacia do Descoberto estão plantando mudas na orla do lago. Eles já plantaram 74 mil mudas nas chácaras. “De dois anos para cá, a gente já percebeu que muitas propriedades já estão brotando águanessa área, lugares que tinham secado, abandonado, devastado, está minando água”, comemora a presidente da Associação Pró-Descoberto, Rosane Cristina.

Um estudo da Adasa mostra que o DF precisa do reforço de dois novos mananciais para manter e aumentar a oferta de água. Hoje, a Caesb capta água de córregos, rios e represas em 24 regiões, mas isso não será suficiente para manter o abastecimento nos próximos anos. “O planejamento é para os próximos anos, ainda nesta década, ativar uma nova fonte de produção no Corumbá e mais adiante o próprio Lago Paranoá”, explica o presidente da Caesb, Célio Biavati Filho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *